Adequação ao Mercado de Trabalho – parte 2

Como continuação do post anterior, aqui estão as anotações da parte 2.

Minhas anotações – Parte 2

Aonde se estabelecer?

Aonde sua experiência profissional se encaixa?

  • Eu conheço muitos engenheiros químicos que poderiam ter um emprego em Fort McMurray (Alberta) em dois segundos
  • Mas ficam estagnados em Toronto dirigindo um táxi por que se mudar para Fort McMurray seria como dar um passo atrás no seu status social
  • E também porque não há nenhuma pessoa da mesma nacionalidade em Fort McMurray
  • O que está faltando é entender a estrutura da sociedade canadense e onde se encaixar nessa sociedade
  • Se você tem uma experiência específica, onde ela pode ser usada no Canadá?
  • Não é tão óbvio como pode parecer

Exemplo: engenheiro de mísseis

  • Tive um cliente que era engenheiro mecânico e veio do Paquistão
  • Sua especialidade era construir mísseis
  • A chance de ele construir mísseis no Canadá é zero
  • Primeiro porque o Canadá não é um grande produtor de mísseis
  • Segundo porque ele necessitaria de um Security Clearense que ele nunca conseguirá
  • Eu trabalhei com ele para entender o que ele fazia
  • Descobri que ele trabalhava na produção da carcaça do míssil
  • Ele supervisionava as pessoas que enrolavam as chapas de aço para fazer um cilindro
  • A mesma tecnologia é usada para produção de tanques de alta pressão e caminhões-tanque
  • Hoje ele tem um emprego, mas ficou 1 ano e meio sem conseguir até encontrar onde se encaixar

Reflexão sobre agências de recolocação no mercado de trabalho

  • Muitas agências trabalham com uma gama muito grande de diferentes perfis e formações
  • É impossível se especializar em cada área
  • Uma saída é a parceria com entidades de classe e ordens profissionais para que essas guiem o profissional na direção certa
  • E geralmente a grande questão é em que cidade o profissional ele deve morar

Exemplo: o físico nuclear

  • Um rapaz da Rússia que era físico nuclear
  • A situação era clara: ele deveria ir para Chalk River (Ontario)
  • E trabalhar na AECL (Atomic Energy of Canada Limited)
  • Demorou mais tempo do que você possa imaginar, para convencê-lo a se mudar para Chalk River
  • Quando ele finalmente se convenceu disso conseguiu um emprego
  • E hoje trabalha em Chalk River em uma empresa chamada Bubble Technology
  • A questão é: conseguir um trabalho que use a sua experiência – o mais difícil é entender aonde o profissional se encaixa

O desafio do imigrante: a busca do sucesso

Cada um mede progresso (ou sucesso) de uma forma diferente

  • Dinheiro
  • Poder de compra
  • Capacidade de influenciar pessoas
  • No meio acadêmico:
    • número de papers publicados
    • ou número de livros publicados
  • No meio militar
    • a patente
    • número de comandados
    • número de medalhas conquistadas
  • e assim por diante

O gráfico 6 mostra o que acontece com o imigrante típico (esse tópico se aplica ao perfil de imigrante qualificado, não se aplica a refugiados)

Gráfico 6

Gráfico 6

A queda inicial

  • Antes de imigrar, o profissional vive num aumento constante do seu nível de progresso e assim continuaria se não tivesse imigrado.
  • Esse progresso constante é representado pela linha cinza pontilhada
  • Quando os imigrantes pisam no Canadá o seu nível de progresso despenca
  • Para alguns continua caindo e caindo e eles decidem voltar pra casa – linha vermelha
  • Na minha experiência, um número muito pequeno volta
  • Porque é necessário se despir do orgulho para admitir o fracasso
  • A vergonha é tão alta que muitos não fazem isso (voltar)
  • Eu me lembro de um cliente, profissional indiano,  que demorou 1 ano para contar ao pai que havia sido dispensado do emprego
  • Agora imagine a vergonha se esse profissional decidir voltar pra casa

A estagnação

  • Para algumas pessoas acontece o que está representado pela linha azul do gráfico 6
  • Eles fazem meia volta na tendência de queda, se recuperam, mas ficam em um nível abaixo do inicial
    • Engenheiros dirigindo táxi
    • Médicos limpando hospitais
    • Farmacêuticos entregando pizza
  • Todos conhecem pessoas assim

A recuperação

  • Outras pessoas seguem a linha verde
  • Eles combinam o que aprenderam no país de origem com o que aprenderam aqui
  • Eles entenderam a sociedade Canadense
  • Aprenderam os Soft-Skills canadenses
  • E no final tem sucesso, pois o todo é maior que a soma das partes
  • Eventualmente o ponto chave é “quando” você irá ultrapassar esse ponto da recuperação (cruzamento da linha verde com a linha cinza)
  • É o ponto onde o profissional atinge o mesmo progresso no Canadá que teria se tivesse ficado no seu país de origem
  • Esse é o Santo Grahal de todo imigrante
  • Porque ninguém vem para o Canadá para “empatar”, vem para ter sucesso
Gráfico 7

Gráfico 7

Analisando a situação

  • Como o imigrante sabe como estaria se tivesse ficado
    • Parentes
    • Amigos
    • Colegas
    • Sabendo o que eles têm, temos ideia do que teríamos se tivéssemos ficado
  • Inicialmente, por algum tempo, os imigrantes estão abaixo dessa comparação, na curva de baixo da linha verde
  • Mas eles mantêm a esperança de estar lá no alto – ver alvo no gráfico 7
  • É importante saber quanto tempo demora entre a chegada do imigrante (queda no progresso) e o ponto em que se recupera e supera a projeção inicial
  • Eu diria que isso demora de 6 a 12 anos!
    • Depende da profissão
    • Profissão em alta demanda é menos tempo
    • Também depende de quão flexível e adaptável é o imigrante

A diferença entre as pessoas que ficam na linha azul (gráfico 6) e as que vão para a linha verde reside em quanto o imigrante se sente dono do problema

  • Se eu penso que o problema é meu para encontrar um caminho, eu o encontro
  • Se eu penso que o problema é dos outros, eles não vão resolvê-lo para mim
  • Esse é o grande diferencial
  • Para detectar como o imigrante pensa, pergunte: “Qual é o problema”
  • Se a resposta começa com “Eles…”  este é o problema
  • Se o imigrante entende que o problema é dele o que ele deve aprender a recuperar o que ele perdeu ao mudar de sociedade

Quanto se muda de país o imigrante perde duas coisas

  • Ele perde a habilidade de ver-se como os outros o vêem
    • No seu país de origem você sabe, quando faz alguma coisa, como os outros vão julgá-lo
    • Em um novo ambiente você não sabe
  • Ele perde a habilidade de influenciar pessoas
    • Isso é realmente importante
    • No seu país de origem ele sabe o que dizer para obter a reação desejada
    • Quando chega ao Canadá isso não funciona porque os outros pensam de outra forma

Como as mudança ocorrem no Canadá (como convencer um canadense a mudar de idéia)

Gráfico 8

Gráfico 8

Comparando o processo de independência de 4 países

  • Os quatros países já foram colônias inglesas
    • Canadá
    • EUA
    • Índia
    • Nigéria
  • Quando os EUA se tornaram independentes? 4 de julho de 1776
  • Quando a Índia se tornou independente? 15 de agosto 1947
  • Quando a Nigéria de tornou independente? 1 de outubro de 1960
  • Quando o Canadá se tornou independente? (risos)
  • No Canadá isso depende de como se define “ser independente”
    • Canadá foi criado em 1 de julho de 1867
    • Mas não era independente.
    • Não tinha atributos de um país independente
      • Não havia exército
      • Não havia bandeira
      • Não havia constituição
      • Não havia cidadania
      • Não havia moeda
    • Cada coisa foi criada em um momento diferente
      • Exército canadense: 1915 (antes os soldados canadenses eram parte do exército britânico)
      • Primeiro Premier canadense: 1921
      • Banco central: 1934
      • Passaporte Canadense: 1947 (antes os passaportes eram britânicos)
      • Suprema corte canadense: 1949 (antes era possível apelar em última instância à corte britânica em Londres)
      • Bandeira: 1965
      • Constituição: 1982
    • E a Rainha da Inglaterra ainda é a chefe de estado do Canadá até hoje

As mudanças no Canadá são graduais

  • Nos EUA, na Índia e na Nigéria as coisas acontecem de uma vez
  • No Canadá as coisas acontecem pouco a pouco, gradualmente
  • A única revolução no Canadá foi a Revolução Tranqüila no Quebec entre 1960 e 1972
  • Em 12 anos de “revolução” apenas uma pessoa morreu (irônico)
  • E quando essa pessoa morreu o exército tomou as ruas de Montreal
  • Nota do blog:
    • Em 1970 o vice-premier do Quebec Pierre Laporte foi seqüestrado e morto, pela FLQ  (Força de libertação do Quebec)
    • Esse assassinato disparou uma ação em Ottawa que enviou o exército as ruas de Montreal
    • Houve algumas prisões, mas pouca ou nenhuma violência ocorreu
    • Mais informações: http://en.wikipedia.org/wiki/October_Crisis
  • Compare isso com uma revolução típica na França, na Rússia ou em outros países?
  • Uma pessoa morta nem aparece nos jornais, não conta

Como isso se reflete no meio profissional

  • A questão é que a melhor maneira de ter uma idéia rejeitada no Canadá é dizer:
    • Tive uma grande ideia
    • Vamos refazer tudo
    • Criar novos processos do zero
    • E a produtividade aumentará 50%
  • Um canadense vai dizer “Isso nunca vai funcionar”
  • E é verdade, mas eles se esquece de completar a frase “Isso nunca vai funcionar, no Canadá”
  • Pode funcionar na França, mas não no Canadá
  • Eu aprendi duas maneiras de fazer Canadense de mudar de idéia
    • Salami aproach
    • ???
  • Nota do blog:
    • Logo após há um corte no vídeo (parte 2 na posição 14:12). Provavelmente ele dize que o “salami aproach” consiste em dividir um grande problema em pedaços menores. O segundo aproach foi cortado
  • Quando eu cheguei no Canadá passei por essa dificuldades
    • Tentei vender meus serviços conforma a experiência que tinha como free-lancer em outros países, acostumado a vender meus serviços
    • Eu cheguei no Canadá com a proposta: vamos fazer uma grande série de treinamentos para todo mundo na empresa
    • Não funcionava
    • Aí passei começar pequeno e o serviço ia crescendo
    • Tornei-me mais influente desse jeito do que trazendo grandes idéias
  • Eu realmente recomendo esse método para vocês

Feedback. O principal problema do imigrante após conseguir um emprego

Para manter seu emprego, um imigrante precisa aprender sobre como funciona o feedback no Canadá

Gráfico 9

Gráfico 9

Definindo o feedback

  • Feedback pode ser negativo, positivo ou neutro
  • No gráfico 9, o feedback está representado por um eixo
  • Temos um lado negativo e outro positivo
  • Quanto mais longe do zero mais forte é o comentário
  • No extremo direito – você será promovido
  • No extremo esquerdo – você será demitido e mandado de volta pra casa
  • Em volta do zero existe o feedback neutro
  • Nessa zona, algo foi dito, mas não se sabe se foi bom ou ruim
  • Em inglês é um bom exemplo disso é: “it’s interesting”
  • Você não tem nenhuma idéia se isso é bom ou ruim, é preciso esperar a continuação para saber
  • Outros exemplos são
    • “Good point”
    • “Nunca tinha pensado dessa forma”
    • “Boa tentativa”
  • Com a minha mulher eu uso “você está diferente” (risos)
Gráfico 10

Gráfico 10

Interpretando o feedback

  • Algumas pessoas são mais sensíveis a feedback do que outras
  • Mas em muitos países do mundo a média de sensibilidade, comparada ao Canadá, é menor  – ver gráfico 10
  • Países que são assim
    • EUA
    • Reino Unido
    • Austrália
    • Nova Zelândia
    • Irlanda
    • África do Sul
    • Grande parte da Europa ocidental
    • Escandinávia
    • Países do Leste Europeu
    • Oriente Médio
    • Israel
    • Índia
    • Paquistão
    • Venezuela
    • Nigéria
    • Brasil
  • Uma vez recebi feedback sutilmente negativo. Eu entendi as palavras, mas não entendi a mensagem
  • Não entendi que meu chefe queria que eu mudasse meu comportamento
  • Por outro lado, quando eu dava feedback aos meus colegas para que eles corrigissem algo, eu os detonava, os meus comentários eram muito fortes para eles – ver gráfico 10

Mesma mensagem, palavras diferentes

  • Todo Zôo do mundo tem placas para não alimentar os animais
  • Cada país tem dizeres diferentes
  • Em Toronto:
    • “Por favor, abstenha-se de alimentar os animais”
    • E cinco tópicos explicando porque não se deve alimentá-los
    • E termina com “por essas razões pedimos que não alimente os animais”
  • Em Paris
    • “É estritamente proibido, em qualquer circunstância, alimentar os animais “
    • E termina com “Se alguém for pego alimentando os animais será expulso do Zôo”
  • Se eu estou  acostumado com “É estritamente proibido, em qualquer circunstância…” e leio “Por favor, abstenha-se de alimentar os animais” o que vou pensar?
  • Se eu realmente insistir… tudo bem.
  • Eu entenderei errado o objetivo do aviso se eu medir com os meus paradigmas
  • A mensagem é a mesma “não alimente os animais”
Gráfico 11

Gráfico 11

Países do extremo oriente

  • Imigrantes do oriente tem o problema inverso – Ver gráfico 11
    • China
    • Coréia
    • Vietnam
    • Filipinas
  • Nesses países, um feedback negativo sutil de um canadense soa muito forte
  • Um feedback sutil de um oriental, soa neutro para um canadense
  • Uma vez eu fui tentar vendar um serviço de treinamento em Xangai, e levei 2 horas e meia para entender que a resposta era não
  • Eles nunca disseram não. Mas levantavam problemas e a cada solução levantavam outros problemas
  • Eles ainda me levaram para almoçar (risos), mas a resposta era não.
  • Conclusão: a maneira como feedback é dado é diferente em diferentes partes do o mundo

Agências de recolocação estão cheias de profissionais com grande capacitação, mas que se expressam de forma muita forte, de acordo com os padrões canadenses

Sugiro que o imigrante sempre verifique sua mensagem com alguém que nasceu e criou-se no Canadá para ter certeza que não está forte demais para os padrões canadenses

O tema do feedback continua na parte 3…

mantêm

2 opiniões sobre “Adequação ao Mercado de Trabalho – parte 2

  1. Excelente!! Imagino que não seja um trabalho rápido e nem fácil, por isso o parabenizo mais uma vez pela iniciativa. Continuo de prontidão, aguardando a sequência.

  2. Cara…sensacional seu “resumo”.

    Eu assisti a palestra inteira…mas as informações organizadas por vc estão demais !!

    PARABÉNS !!

Deixe uma resposta para Marivaldo Burégio Cancelar resposta

OU COMENTE USANDO O FACEBOOK