Adequação ao Mercado de Trabalho – parte 1

Palestra

Palestra

Alguns dias atrás encontrei um post com vídeos de uma palestra excelente no blog Les Lapins,  que pegou a dica no blog A Era do Gelo, então eu também estou postando os vídeos aqui. Trata-se de uma excelente palestra do Sr. Lionel Laroche Phd, que é consultor em adequação de imigrantes ao mercado de trabalho. Achei o tema tão interessante que resolvi  fazer minhas próprias anotações do assunto apresentado. Como resultado, vou postar aqui não só o link para vídeos, mas também as minha anotações, em português.

Apenas algumas considerações:

  • Apesar do palestrante ser francês a palestra está em inglês;
  • Nem todas as referências culturais podem se aplicar ao Quebec, o objeto de trabalho do palestrante é o imigrante que quer trabalhar nas províncias anglofonas do Canadá;
  • Minhas anotações não são a transcrição literal do que é dito, mas quase, é um resumo dos assuntos falados, na mesma ordem e forma apresentada;
  • Algumas piadas ficaram de fora pela dificuldade de traduzi-las sem perder o sentido;
  • Tomei a liberdade de refazer os gráfico e colocar neles alguns comentários;
  • Se você sabe inglês ignore as anotações abaixo, e assista apenas ao vídeo;
  • Nesse post segue a primeira parte, equivalente a primeira parte do vídeo, as outras partes virão na seqüencia;
  • Você pode encontrar erros de português ou tradução, nesse caso me avise e eu corrijo;
  • O título em inglês é “Settlement at work”, dificil de traduzir, então usei a palavra adequação, mas poderia ser assentamento, ou acomodação – no sentido de dar acomodação à alguém, não no sentido de ficar acomodado;

Os vídeos podem ser vistos aqui

Parte 1:
http://www.blip.tv/file/1590748?utm_source=player_embedded

Parte 2:
http://www.blip.tv/file/1590979?utm_source=player_embedded

Parte 3:
http://www.blip.tv/file/1590824?utm_source=player_embedded

Parte 4:
http://www.blip.tv/file/1590883?utm_source=player_embedded

Minhas anotações – Parte 1

Introdução

Quem é o palestrante

  • Lionel Laroche
  • Original da França
  • PHD Engenheiro Químico por formação – especializado em destilação
  • Quando fez a palestra era consultor em assuntos de adequação de imigrantes ao mercado de trabalho no Canadá

Lionel Laroche conta seu caso pessoal

  • Pela minha  formação o melhor lugar para conseguir emprego seria em Calgary – Alberta
  • Mas chegar, eu projetei a organização social da França no Canadá
    • Na França pessoas que querem progredir na carreira vão para Paris
    • Então eu fui procurar emprego nos grandes centros: Montreal, Toronto, Vancouver
    • Na minha cabeça, ir para Calgary (Alberta) seria não ter futuro – porque não era um grande centro
  • Eu até consegui um emprego em Toronto mas sem usar a minha especialização em destilação
  • Nesses 18 anos no Canadá eu descobri que só existem 2 empresas interessadas na especialização em destilação – ambas ficam em Calgary
  • Conclusão: O maior desafio aos imigrantes qualificados é não entender a estrutura da sociedade Canadense
  • E isso é bem mais difícil do que parece

Diferenças na estrutura social canadense em relação a outros países

Nota do blog:

  • O termo Tech-Skills, ou TS, será usado para designar o conhecimento técnico.
  • O termo Soft-Skills, ou SS, será usado para designar conhecimento não técnico: socialização, comunicação, liderança, trabalho em equipe, etc.
Gráfico 1 - TS x SS

Gráfico 1 - TS x SS

Podemos classificar os profissionais pelo seus Conhecimentos Técnicos e Conhecimentos Sociais – ver gráfico 1 – Tech-Skills x Soft-Skills

Exemplos de estereótipos

  • Geeks tem um alto nível de Tech-Skills e baixo de Soft-Skills
  • Vendedores de carros usados tem altonível de  Soft-Skillse baixo de Tech-Skills

A maioria dos imigrantes qualificados chegar com alto TS e baixo SS

Porque imigrantes no Canadá têm alto índice de Tech-Skills:

  • Por causa do sistema de pontuação que exige formação superior
  • O perfil do imigrante canadense é diferente
    • É praticamente impossível imigrar ilegalmente para o Canadá
    • Canadá tem controle quase absoluto da imigração
    • Canadá tem 40.000 imigrantes ilegais enquanto os EUA tem 12.000.000
    • 30 vezes mais ilegais nos EUA em relação ao Canadá
    • Conclusão: Quando um canadense encontra um imigrante típico ele imagina que o imigrante está no Canadá legalmente e tem alto nível de escolaridade
    • Não é o que um americano pensa quando encontra um típico imigrante mexicano. Certo?

Porque imigrantes no Canadá tem baixo índice de Soft-Skills:

  • Porque Soft-Skills são medidos pelos padrões culturais locais
  • Mesmo os imigrantes têm alto nível de Soft-Skills no seu país de origem, não o tem no Canadá porque aqui esse conhecimento não se aplica
  • Eu sempre tive alto nível de SS na frança, mas quando entrei no Canadá o meus Soft-Skills foram a zero da noite pro dia
  • Porque na frança, por exemplo, não se diz:
    • “É um bom relatório, você deve detalhar a seção 3, mas no geral bom trabalho”
  • Mase se diz:
    • “Refaça a seção 3”
  • Isso significa que não sei como me comunicar apropriadamente na sociedade local
  • Esse exemplo será detalhado mais tarde

Diferentes países aplicam diferentes pesos aos skills técnicos e sociais

Gráfico 2 - Linha de igual valor

Gráfico 2 - Linha de igual valor

No Canadá

  • No Canadá avaliadores aplicam o peso médio de 60% para TS e 40% para SS
  • Isto é, um profissional é julgado 60% pelo seu conhecimento técnico e 40% pelo seus conhecimentos sociais
  • Isso depende da profissão, mas a média é essa para trabalhadores qualificados
  • Quanto mais alto a sua posição na hierarquia mais importante são os Soft-Skills
    • Exemplo: um contador numa firma de consultoria em impostos precisa saber sobre impostos (TS)
    • A medida de que o contador sobe na firma vai precisar saber vender o serviço aos clientes (SS)
  • Linhas de valor igual indicam que as pessoas nessa linha agregam valor de forma igual para a empresa (linha azul no gráfico 2)
  • No Canadá ela é bem inclinada
  • Nota do blog:
    • Essa linha indica que os profissionais A, B e C agregam o mesmo valor no Canadá, apesar de terem combinações diferentes de Tech-Skills e Soft-Skills. O profissional C, por exemplo, a falta de TS é compensada por um alto SS, na proporção 60-40.
  • No gráfico ao lado
    • A: Alto TS e baixo SS
    • B: Médio TS e Médio SS
    • C: Médio/Baixo TS e Alto SS
Gráfico 3 - Diferentes avaliações

Gráfico 3 - Diferentes avaliações

Em outros países

  • Os top 4 países de origem dos imigrantes
    • China
    • India
    • Filipinas
    • Paquistão
  • Nesses países empresas são muito hierarquizadas, o chefe é o chefe e ponto final
  • Se você é o chefe tudo que vc precisa saber é o que fazer
  • Nesses países a relação entre Tech-Skills e Soft-Skills é 90% para 10% – a linha de igual valor é representada pela linha vermelha no gráfico 3
  • Ou seja 90% da avaliação de um profissional é feita levando em conta seus conhecimentos técnicos
  • A linha de valor igual nesse países é bem plana, os Soft-Skills não tem bem pouco peso
  • Situação típica – ver gráfico 3
    • Profissional X: Um imigrante está numa posição de alto TS e baixo SS
    • Profissional Y: um canadense nativo está numa posição de médio TS e alto SS
    • Ambos competem pelo mesmo cargo na empresa (emprego novo ou uma promoção)
    • Pelos padrões canadenses o profissional Y tem mais valor
    • Mas o imigrante (pessoa X) interpreta isso como desigualdade e discriminação
    • Por que o imigrante mede o valor pelos padrões de seu país de origem onde os seu conhecimento técnico agregaria mais valor
    • Mas no Canadá a sua falta de Soft-Skills pesa muito mais
    • Conclusão: o principal desafio é fazer o imigrante entender os valores da sociedade canadense e onde as pessoas se encaixam

Nota do blog sobre a interpretação do gráfico 3:

  • Pelos padrões canadenses, o profissional Y agrega mais valor à empresa do que o profissional X, por causa do Soft-Skills de X. A avaliação Canadense é representada pela linha azul.
  • Pelos padrões de outros países, o profissional Y agrega mais valor à empresa do que o profissional X, por causa da falta de Tech-Skills de Y. A avaliação desses países é representada pela linha vermelha.

Como os imigrantes convencem um canadense que a experiência do imigrante é útil no Canadá?

Qualificação na visão do imigrante

  • A maneira como um imigrante considera ser qualificado é diferente da visão do canadense
  • A maioria dos imigrantes vem de países em desenvolvimento
  • Nesses países é importante ser flexível
    • Se poucas pessoas têm alto nível de escolaridade
    • Então é preciso que essas pessoas façam diferentes tarefas
  • Esses imigrantes costumam dizer: “Eu posso fazer qualquer coisa”
  • Os seus CVs gritam isso: “Eu já fiz de tudo e posso fazer qualquer coisa”
  • Isso soa para um canadense que vc não tem profundidade em nenhuma área

O Canadá procura especialistas

  • Um médico de família canadense, que é um generalista, se descreve como “especialista em medicina de família”
  • Porque aqui é importante ser especialista
  • Exemplo de um cliente
    • Um cliente iraniano que é engenheiro civil
    • O engenheiro disse que já construiu
      • Arranha-céus
      • Pontes
      • Túneis
      • Barragens
    • Detalhando sua experiência
      • Arranha-céus 1 ano
      • Pontes 2 anos
      • Túneis 2 anos
      • Barragens 20 anos
    • Se ele fosse um engenheiro canadense se definiria como Engenheiro de Barragens
    • Mas essa definição ainda é muito ampla
    • É mais provável que um canadense se definirá como: “especialista em retroalimentação de instrumentação de sistemas de monitoramento de barragens existentes”
    • Conclusão: como encaixar um profissional generalista numa sociedade que procura especialistas?

Gráfico 4 - Profissional especialista

Gráfico 4 - Profissional especialista

O imigrante precisa aprender a fazer networking

  • A primeira coisa que o imigrante faz em termos de networking é se associar aos outros imigrantes do mesmo país de origem
  • Iranianos com iranianos, venezuelanos com venezuelanos
  • Não é assim que um canadense faz networking
  • Os canadense dividem o mercado profissional em duas dimensões   -veja gráfico 4
    • profissão e subdivisões
    • ramo de atividade e subdivisões
  • Profissionais canadenses se definem pela intersecção das duas dimensões
  • Exemplo: Engenheiro químico especializado em refinação de petróleo
  • O networking então pode ser feito pela profissão ou pela atividade ou pela profissão – mostrado no gráfico 5
Gráfico 5 - Networking

Gráfico 5 - Networking

  • Congressos e conferências geralmente estão ligados a uma profissão ou ramo de atividade
    • Conferencia em Engenharia Química
    • Conferencia em companhias de petróleo
  • Exemplo do engenheiro no lugar errado
    • Tive um cliente que era um engenheiro costeiro
    • Engenheiros costeiros trabalham no desenvolvimento de portos, piers e afins
    • Ele era de Ruanda e se formou na Rússia
    • Ele cometeu o mesmo erro, e foi direto para Toronto
    • Mas em Toronto, se ele for para uma reunião da PEO (Professionals Enginners Ontario) ele encontrará:
      • 60% engenheiros mecânicos
      • 30% engenheiros elétricos
      • 10% outras especialidades
    • Ali não havia nenhuma possibilidade de conhecer outro engenheiro costeiro
    • Procurando na internet nós encontramos uma associação de engenheiros costeiros
    • Essa associação tinha duas sedes, uma em Halifax e outra em Vancouver
    • Tudo isso só mostrava que ele estava fazendo networking no lugar errado

Continua…

16 opiniões sobre “Adequação ao Mercado de Trabalho – parte 1

  1. Excelente!
    Espero que você não se importe muito, linkei esse post na comunidade do orkut “Quero ir para o Québec”, num tópico intitulado “as mentiras que a imigração conta”.
    Muito interessante de se notar que até mesmo alguém com francês fluente está sujeito à deslizes!

  2. Oi, Sandro,

    Li e ouvi muitos comentários a propósito desta palestra e o parabenizo pela iniciativa de “traduzi-la”.
    Seus comentários (e gráficos) são bastante esclarecedores.

    Parabéns pela ótima atitude.

  3. Carambaaaaa
    Sandro!!!!! Perfeito!!!!
    Parabens parabens parabens
    e obrigada obrigada obrigada!!!!
    Isto tinha q ir para o pessoal de Imigraçao para contar mais um ponto para os brasileiro, que demonstram a boa vontade em fazer a diferença na vida de outros e auxilio ao Governo do Canada!
    Parabens!!!
    Darlene

  4. Nota 10 o seu post, cheguei a ver esta palestra em outros blogs e pensei: uma pena não ser em francês…agora vc. faz um resumo em português?!! nossa, valeu mesmo, muitíssimo obrigada!abraços

  5. Agora vc mandou mto bem, Sandro! Como de costume… mas dessa vez vc se superou. Ótima iniciativa. Tô com os links dessa palestra guardados faz 1 semana, quero assistir hj e depois voltar e reler seu tópico!
    Abração!

  6. Excellent post!!
    I’ve been here before and this time was just to tell you I’m adding a link to your blog.
    But I had no idea I’d find here what somebody should do about this hot lecture, that is, write a summary with charts. So now, we have a good back-up of the videos and the possibility of printing the contents in a few pages, adding them to my “Projet de Vie” right away!!
    However, if I could tell you this, next time you do such thing, think about keeping it in English (or French), so that you’d help other good immigrants than just us “patos” coming along with you. 😉
    À bientôt!

  7. Sandro,
    I have just read the post from start to end.
    I don’t remember where in the videos I heard this, but it’s worth to remember that among the soft skills are the capacity to influence people. So if one needs a favour from somebody, like receiving a recommendation letter, that will be easier in the country of origin than in Canada during the first years.
    Second, regarding this post, in “Nota do blog sobre a interpretação do gráfico 3”, when you say “o profissional Y tem mais valor do valor do profissional X” you meant “vale mais que”, right? Have a look at the next sentence as well, SVP.
    Looking forward to the continuation.
    À plus!
    Cheers

    • Welcome Eddie,

      I’m wondering why you wrote your comment in English. Why not in French or in Portuguese? 😉

      Obrigado pela dica de revisão, já corrigi o texto. Quanto a escrever as notas em inglês, ou francês, segue a explicação:

      Conheço muitos brasileiros que migraram ou estão no processo, que tem o inglês muito básico, portanto fazer o resumo em inglês não faria sentido, afinal o vídeo já está em inglês. Claro que eu poderia ter escrito em francês então, mas acho que eu não daria conta do trabalho. Se alguém aí está com inglês e francês tinindo e quiser se aventurar em fazer um resumo em francês, mãos a obra, eu não tive coragem…

      Um abraço.

  8. Oi, Sandro,

    Por favor, nao leve a mal as mensagens em ingles. Por hora, digo apenas que costumo fazer isso. 😉 Talvez poderia te explicar algum dia.

    Entendo a sua intencao, pois escrevo em portugues na CBQ para ajudar o maximo possivel. Isso porque la ja tem muita coisa boa, entao retribuo assim. Mas estou com muita vontade de participar de foruns de outros povos e ajuda-los da mesma maneira, partilhando coisas aqui e ali. Em teoria, chegando no Québec, todos os imigrantes passarao por alguns problemas semelhantes “de classe”. Outro dia, encontrei um forum dos turcos, eu acho, trocando ideias sobre a entrevista, do mesmo jeito que a gente faz 😀 mas os topicos eram em frances. Se alguem ai puder me dar alguma dica, agradeco.

    Seria otimo para meu frances se pudesse transcrever isso enquanto me preparo para a entrevista. Mas ja depois dela, tenho outras urgencias, como conseguir um certificado na minha area de TI.

    À bientôt!!

  9. Olá, Sandro!
    Olha, eu até já tinha assistido os vídeos em inglês, mas não pude deixar de ler sua “tradução”. Muito bom! E ainda organizou as idéias! Li a parte 2 tb, excelente.
    Agora uma dúvida: vc colocou “Nem todas as referências culturais podem se aplicar ao Quebec, o objeto de trabalho do palestrante é o imigrante que quer trabalhar nas províncias anglofonas do Canadá”. Vc pegou essa informação de fora da palestra? Pois, como estou no Québec,imaginei q se aplicasse pra cá tb…
    Obrigada!

    • Juliana,

      O palestrante fala muito dos conflitos de comunicação e dá sempre exemplos na língua inglesa. O fato do Quebec falar francês, gera algumas diferenças culturais importantes em relação ao Canadá anglofono. Isso é um pouco que “achismo” meu, baseado no pouco que eu conheço a respeito dos dois lados.

      Na verdade, todas as questões levantadas na palestra se aplicam também ao Quebec, mas talvez os exemplos e detalhes devam ser adaptados para as características peculiares da nação do Quebec.

      Por exemplo, pela minha experiência profissional, posso dizer que o quebecois é mais direto na hora do feedback do que o que é apresentado na palestra, mas tb não é igual ao Brasil. E as empresas e os profissionais, principalmente em Montreal, parecem mais preparados para receber os imigrantes e acostumados a lidar com essas discrepâncias culturais.

      Um abraço!

Deixe uma resposta para Marivaldo Burégio Cancelar resposta

OU COMENTE USANDO O FACEBOOK